Posts com tag “obesidade

Metade da população brasileira está acima do peso

Estudo divulgado hoje pelo Ministério da Saúde indica que a proporção de pessoas acima do peso no Brasil passou de 42,7% em 2006 para 48,5% em 2011, enquanto o percentual de obesos subiu de 11,4% para 15,8%. De acordo com a pesquisa, o aumento da obesidade e do excesso de peso atinge tanto a população masculina quanto a feminina.

Em 2006, 47,2% dos homens e 38,5% das mulheres estavam acima do peso, enquanto em 2011 as proporções passaram para 52,6% e 44,7%, respectivamente. Entre os homens, o problema do excesso de peso começa cedo e atinge 29,4% dos que têm entre 18 e 24 anos. Entre homens de 25 a 34 anos, o índice quase dobra, chegando a 55%. Dos 35 aos 45 anos, o percentual é de 63%.

O excesso de peso na população brasileira também está ligado a fatores como idade. O envelhecimento tem forte influência nos indicativos –sobretudo femininos: 25,4% das mulheres entre 18 e 24 anos está acima do peso. A proporção aumenta para 39,9% entre mulheres de 25 a 34 anos e chega a 55,9% dos 45 aos 54 anos.

Em relação à obesidade, 6,3% dos homens de 18 a 24 anos se encaixam nessa categoria, contra 17,2% dos homens de 25 a 34 anos. Entre as mulheres, 6,9% das que têm de 18 a 24 anos são obesas. O índice quase dobra entre mulheres de 25 a 34 anos (12,4%) e quase triplica entre 35 e 44 anos (17,1%). Após os 45 anos, a frequência da obesidade se mantém estável, atingindo um quarto da população feminina.

Ao todo, foram entrevistados para a pesquisa 54 mil adultos em todas as capitais do país e no Distrito Federal entre janeiro e dezembro de 2011. Segundo a Vigilância em Saúde, o objetivo é acompanhar os hábitos da população brasileira e subsidiar políticas públicas.

Anúncios

Pessoas com excesso de peso correm risco de desenvolver demência

Pessoas de meia-idade com excesso de peso têm 71% mais chances de desenvolver demência que as que estão no peso ideal. É o que revela pesquisa de especialistas do Instituto Karolinska de Estocolmo.

Outros estudos já indicavam a possibilidade de um vínculo entre a obesidade e a demência, mas este é o primeiro que trata da relação do problema com o excesso de peso –ou seja, de uma pessoa que ainda não é obesa.

As pessoas de meia-idade com um índice de massa corporal maior que 30, consideradas obesas, têm 288% mais de chances de desenvolver demência que aquelas com um Índice de Massa Corporal entre 20 e 25.

No entanto, pessoas com excesso de peso (IMC entre 25 e 30) têm 71% mais chances de desenvolver demência. De acordo com a pesquisa, no mundo há 1,6 bilhão de adultos com excesso de peso.


Brasileiro fuma menos, bebe mais e se alimenta pior

O tabagismo no Brasil continua em declínio, mas o consumo excessivo de bebidas alcoólicas cresceu, mais ainda entre as mulheres. É o que apontou pesquisa divulgada hoje pelo Ministério da Saúde. De acordo com o estudo, o percentual da população adulta que bebe álcool em excesso passou de 16,2% em 2006 para 18% em 2010.

Os homens são maioria entre os que bebem em excesso –26,8% em 2010, contra 25,5% em 2006. Mas foi entre as mulheres que se deu o aumento mais expressivo: a taxa passou de 8,2 para 10,6% em quatro anos. Foi considerado consumo excessivo de álcool cinco ou mais doses em uma mesma ocasião em um mês para os homens ou quatro ou mais doses para as mulheres.

Em relação ao fumo, o percentual caiu de 16,2% da população adulta em 2006 para 15,1% em 2010. A queda se deu entre os homens (de 20,2% para 17,9%) e, entre as mulheres, o índice ficou estável em 12,7% ao longo dos anos. A pesquisa foi feita em todas as capitais por meio de 54 mil entrevistas telefônicas.

O levantamento mostra ainda que os brasileiros passaram a se alimentar pior e, com isso, é cada vez maior o número de pessoas acima do peso. Os dados mostram que 48% da população está acima do peso, entre os quais 15% têm obesidade. Em 2006, os percentuais eram, respectivamente, de 42,7% e 11,4%. O crescimento de mais de um ponto percentual por ano é considerado ‘preocupante’ já que o excesso de peso está ligado ao aumento de doenças crônicas.